Ícone do site Assassin's Creed Blog

Assassin’s Creed Odyssey – Tudo que foi mostrado na E3 (até agora)

Hoje, segunda-feira, dia 11 de Junho de 2018, tivemos a conferência da Ubisoft na E3, e como esperado, pudemos finalmente ter informações oficiais em relação ao novo jogo da série, Assassin’s Creed Odyssey.

Primeiro, fomos agraciados com o trailer de anúncio, mostrando um pouco da história do game. Confira ele abaixo, devidamente legendado pela própria Ubisoft Brasil.

 

Além do trailer, tivemos também uma demonstração de como será o gameplay do novo jogo, junto a explicação do desenvolvedor de como certas coisas virão a ser.

 

Outros detalhes também interessantes são reforçados e revelados em uma entrevista com a diretora de narrativa do jogo, Mel MacCoubrey.


Em relação a trama, é confirmado que as simulações do Animus irão se passar em um período próximo ao ano 431 Antes de Cristo, na Grécia, durante a Guerra do Peloponeso, ou seja, sim, estaremos em uma época bem anterior ao Egito Antigo mostrado em Origins.

Quanto ao protagonista, pela primeira vez poderemos escolher com qual personagem jogar pela campanha inteira. Entre tais personagens, temos Alexios e Kassandra. Apesar da opção de escolha, é deixado claro que a história seguira a mesma linha narrativa, com a personagem escolhida sendo cria de uma família espartana, sofrendo uma tragédia familiar, e se encontrando 17 anos depois como um mercenário(a) em treino na ilha de Kefalonia, recebendo um contrato que iniciará a longa jornada pela frente.

 

Outra novidade de destaque é a introdução do sistema de diálogos, onde o jogador poderá tomar certas decisões que não afetam coisas fixas, como eventos históricos, mas sim acontecimentos mais isolados, como uma relação com um personagem ou o final de uma quest.

“Eu não consigo resistir a você.”

“Eu não consigo resistir a uma boa luta.”

Em relação as mecânicas, também foi mostrado o retorno do combate e exploração naval. Poderemos recrutar novos membros para a tripulação, melhorar e personalizar nosso navio, e explorar o mar de forma livre como era em Black Flag e Rogue.

Em relação ao resto do gameplay, de forma simples e direta, é basicamente o Origins aprimorado. O combate continua na mesma pegada mais “hack ‘n’ slash”, porém agora mais personalizável, permitindo o jogador mapear o controle para ter acesso rápido a certas habilidades especiais no combate (como um chutão no peito do inimigo), e os equipamentos não serem mais meramente cosméticos, mas afetarem sim a progressão do boneco, como era em Unity.

 

 

Mas e o tempo presente?

Essa é a pergunta que muitos, incluindo eu, fazem sempre que veem um novo Assassin’s Creed, e por um milagre esse ano tivemos o minimo de informação divulgada. De acordo com a entrevista feita com a diretora de narrativa Mel MacCoubrey, Odyssey dará sequencia a história de Layla Hassan, em uma jornada atrás de conhecimento precursor e Artefatos do Éden. Também é confirmado, sem muitos detalhes, que tanto Alexios e Kassandra são descendentes de membros da primeira civilização, e que o jogo irá explorar a conexão entre a era Isu com a mitologia grega.

No trailer de gameplay mesmo, em um rápido segundo, podemos ver Layla virada de lado, olhando para um canto.

 

Em relação aos artefatos, já temos a confirmação de um, a lança quebrada de Leônidas, que parece ser tão importante na história quanto na mecânica de combate.

 

Essas informações podem não ser lá “oooohhhh quanta informação incrível”, mas só do fato delas terem sido divulgadas no mesmo dia do anuncio do game me da as esperanças de melhorias no presente. Sim, eu não gostei do que fizeram com o arco da Juno… Sim, também não curti o jeito que desenvolveram presente em Origins… Mas eu estou disposto a perdoar a Ubi caso as coisas venham a ser feitas do jeito certo a partir de agora, com conteúdo relevante e de preferencia jogável, como foi com os jogos do Desmond.

 

Tá tá, mas quando é que isso sai? 

É claro que essa informação não poderia ficar de fora. De acordo com o que foi revelado, o jogo irá sair dia 05 de outubro desse mesmo ano.

“Nossa, mas tá muito cedo, mal saiu o Origins ano passado” alguns devem estar pensando, mas é bom lembrar que na própria conferência foi deixado claro que esse jogo já tem uns 3 anos de desenvolvimento, então, não, o jogo não foi feito do dia pra noite. Vai ter semelhanças, mas isso é natural.

 

Enfim, o que acharam do que foi mostrado do jogo? Pretendem pegar ele no lançamento? Deixem suas opiniões nos comentários 🙂

Sair da versão mobile